28/10/11

Projecto "Minimus" parcialmente disponível

Embora este projecto esteja atrasado, alguns ficheiros relativos ao mesmo já estão disponíveis no repositório de ficheiros. Poderá consultá-los através do seguinte endereço: http://www.box.net/shared/gy5o23zgd5j3b3oueetb.

20/10/11

Atrasos na publicação do projecto "Minimus"

Devido a pouca disponibilidade da minha parte, o projecto "Minimus" está atrasado. Ao contrário do que foi indicado no post de 8 de Agosto, prevê-se que o projecto seja publicado apenas em Novembro ou Dezembro.

15/10/11

Testes relativos ao projecto "Monoblocus"

Ultimamente tenho feito alguns testes com o integrado LM3876, justamente no sentido de validar a opção de utilizar um opto-acoplador TLP521-1 no circuito de muting. Após uma série de testes e ajustes, tenho agora um esboço concreto do que será o circuito final. O opto-acoplador revelou ser uma boa escolha, pois desempenhou a sua função sem afectar a prestação do LM3876 em termos de qualidade de som. Aqui ficam algumas fotos dos testes em placa de ensaio:

Integrado LM3876 e circuito de 'muting' montado em placa de ensaio.

Pormenor do circuito de 'muting'. O opto-acoplador é visível em primeiro plano.

08/10/11

Mudança de nome

Este blogue, o "Projectos de Electrónica", passa a ter um novo nome: Bloguetrónica. O escopo do blogue tem vindo a alargar. Embora o blogue continue a ser vocacionado para os projectos, creio que muitos mais assuntos sobre electrónica devem ser explorados. O novo nome é simples e resume bem a temática do blogue.

02/10/11

Terra, chassis e massa

Num circuito eléctrico podem existir vários pontos cujo potencial se considera como sendo o de referência, ou seja, 0V. Podem ser de três tipos: terra, chassis e massa. No entanto, cada um desses tipos é de natureza diferente, e por isso convém fazer a distinção entre os mesmos. A figura seguinte mostra os símbolos para terra, chassis e massa.

Símbolos esquemáticos para terra, chassis e massa.

A terra é o ponto de referência por excelência, por estar ao mesmo potencial que o chão. É obtida localmente numa instalação eléctrica, através de uma estaca de metal enterrada no solo. Convém salientar que a terra não equivale ao neutro, pois este último vem da rede eléctrica, mais concretamente da sub-estação da área.

O chassis corresponde à carcaça metálica do equipamento. Este só tem expressão em equipamentos sem duplo isolamento que utilizem a rede eléctrica. Nessas condições, o chassis deve estar sempre ligado à terra. Deste modo, na eventualidade de haver uma fuga de corrente para o chassis, o mesmo não ficará sob uma tensão potencialmente perigosa ou até letal.

A massa é, em muitos casos, um ponto de referência flutuante. Em circuitos que utilizem a rede eléctrica, a massa não deve estar ligada directamente à terra por forma a evitar problemas relacionados com ground loop. Só em casos excepcionais, quando a segurança assim o exige, é que a massa de um circuito deverá estar ligada à terra.

Concluindo, é importante conhecer as diferenças entre terra, chassis e massa. O entendimento destes conceitos é um auxiliar importante na boa concepção de circuitos eléctricos e electrónicos.